A arte como instrumento humanizador da medicina

A arte tem o poder de humanizar porque ela só pode ser produzida pelo ser humano e toda arte expressa sentimentos, emoções e pensamentos humanos passiveis de interpretações diversas, mas principalmente da análise de todo e qualquer observador, dando a cada um o a permissão de seu olhar próprio e subjetivo, pautado em sua história, emoções e pensamentos. A partir desse olhar é possível ver o outro a partir de si mesmo, ter a obra dentro de si que fala, grita, revela o que há de tão curioso dentro dela.

A arte possui o poder de prender ouvidos cansados, consolar corações abatidos e modificar a forma que o observador vê o mundo: ela sensibiliza! Voltar à arte é nada mais do que regressar às raízes da medicina. Pois houveram tempos em que o saber científico natural não era dissociado das humanidades.

A minha turma teve o prazer de ser desafiada logo no início do curso pela professora Deborah Pimentel a trazer cada um uma obra de arte de livre escolha ao final de cada seminário apresentado. Achei tudo aquilo muito diferente, mas tão logo que se iniciou, as nossas quarta-feiras foram se tornando cada vez mais especiais pois aquele era o nosso momento onde o peso em nossa mente desaparecia, era quase que mágico: Um oásis no meio da semana.

Para minha surpresa, além disso, a professora me deu a responsabilidade de organizar um Sarau ao final do curso. Foi um grande desafio para quem acabava de entrar na Universidade, porém com a ajuda de meus amigos nós organizamos o dia mais especial do nosso final de período. Esse sarau teve o objetivo de fechar a matéria e fixar a importância do contato com a arte para a nossa profissão.

Os alunos se inscreviam comigo para apresentar as mais diversas obras (autorais ou não). Foi um momento onde ouvimos músicas, histórias, poemas, obras de artes visuais e descobrimos muitos talentos escondidos entre nossos amigos. A entrada foi aberta à comunidade e pedimos 1 quilo de alimento por pessoa para doação a instituições, o que deu ao projeto a característica de extensão pois diversas pessoas compareceram e se deliciaram com aquele momento, ficando também surpresas com o tema.

O objetivo desse projeto é que a partir de uma experiência tão especial como foi, os estudantes possam entender a importância do contato com a arte. Como o vídeo diz, depois de anos lidando diretamente com doenças, dor e sofrimento, o estudante veste aquela armadura anti-sentimentos e se torna, por vezes, um profissional que não ouve, não analisa o paciente em sua integralidade e por vezes, sequer olha nos olhos da pessoa que está ali só para ouvir o que ele tem a dizer acerca de sua história e suas queixas.

Porém, a arte pode ser uma fiel aliada na mudança dessa realidade, através dela podemos ver nossos pacientes como OBRAS DE ARTE. É pensando nisso que a professora Deborah Pimentel tem dado seguimento a esses dois projetos em todas as suas turmas de Ética Médica e Habilidades de Comunicação, tanto com as obras de arte em sala de aula como ao Sarau medicina e arte aberto à comunidade.

Essa ideia possibilita que os alunos tenham contato com a arte em todas as semanas de aula e produzam ao final do período o sarau aberto à comunidade. Além das turmas de ética médica, esse projeto tem sido implementado também nas turmas de Medicina legal e Deontologia (5º período) com o mesmo objetivo.
Que cada um aqui, independentemente da área de atuação na saúde possa olhar com atenção para seus pacientes e vê-los como uma obra de arte a ser analisada, observada e admirada.

Este foi o lindo depoimento da minha aluna de medicina da UFS Marcelli de Lima Silva.

Marcelli de Lima Silva

 

Para ter acesso ao material apresentado: Material1Material2

Deixe um comentário